terça-feira, 14 de junho de 2011

Recebi este e-mail de um pastor amigo e me identifiquei com o autor do texto. Há aproximadamente cinco anos tive um blackout, uma isquemia. Tive que fazer um pit stop geral em mim mesmo. Ainda estou neste processo, mas já aprendi a valorizar as coisas mais simples da vida e viver para glorificar a Deus.

Atualmente estou morando em uma cidade no Sul de Minas, no pé da serra, onde tem um povo amigo, clima bom e uma natureza exuberante, através da qual podemos sentir os céus proclamarem a gória de Deus e o firmamento anunciar as obras de suas mãos.

Deus: o Poeta da vida

Clamar a glória

Por Antognoni Misael

Em meio aos múltiplos afazeres do dia-dia, notei que a única maneira de sair dessa “prisão” – a liberdade moderna – para respirar e sentir mais de perto a vida era fazer um pit stop geral em mim mesmo, do contrário, logo sofreria um blecaute causado pelo mundo (não o mundo-criação, mas o sistema guloso que nos quer só pra ele).

Parei tudo só pra sentir o vento, olhar o céu, as árvores da rua, os anciãos caminhando na praça, os pássaros que pousam em meu quintal, as flores do meu jardim. Lembrei então das palavras do salmista: “Os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das suas mãos”. Lembrei também da canção do Guilherme Kerr e João Alexandre: “Te vejo Poeta quando nasce o dia, e no fim do dia quando a noite vem. Te vejo Poeta no andar das pessoas, nessas coisas boas que a vida me dá”. Lembrei de linda canção “What A Wonderful” de Louis Armstrong – em uma apresentação, já nos últimos anos de sua vida, emocionante e que me transmitiu um sentimento tão terno e cheio de verdade:

Eu vejo as árvores verdes, também rosas vermelhas
Eu as vejo florescer para mim e você
E eu penso comigo… “que mundo maravilhoso”

Eu vejo os céus tão azuis e as nuvens tão brancas
O brilho abençoado do dia, e a escuridão sagrada da noite
E eu penso comigo… “que mundo maravilhoso”

As cores do arco-íris, tão bonitas no céu
Estão também nos rostos das pessoas que se vão
Vejo amigos apertando as mãos, dizendo: “como você vai?”
Eles realmente dizem: “eu te amo!”

Eu ouço bebês chorando, eu os vejo crescer
Eles aprenderão muito mais que eu jamais saberei
E eu penso comigo… “que mundo maravilhoso”

Sim, eu penso comigo… “que mundo maravilhoso”

Penso que atualmente seja desafiador olharmos para o mundo (criação) e sua beleza e voltarmos a nos impressionar com a perfeição de como foi criado. Penso que seja desafiador ansiarmos pela Graça de Deus nas pessoas, e louvarmos a Ele pelo dom da vida, pelo existir. Penso que seja desafiador abandonarmos os modelos que inventamos de enxergar Deus apenas em ritos e cultos. Penso que seja desafiador tirarmos a capa brilhosa da religião para simplesmente SERMOS e não estarmos sendo meros cristãos. Penso que seja desafiador vivermos rendidos ao bem, ao belo, a Deus: o Poeta da vida.